Biografia e programa eleitoral de Astrid Olin

Biografia

A Astrid Olin trabalha como contabilista e administradora sénior para uma pequena empresa. Ela vive na área metropolitana de Minneapolis–Saint Paul com o marido, que conheceu em 2015 quando se juntou ao comité de Políticas e Abuso (pois, é mesmo verdade, a fic escreve-se sozinha), e com os seus dois gatos. Os seus primeiros passos no mundo da fandom online aconteceram algures no final dos anos 90, na época do Geocities, walkthroughs em texto simples de jogos e altares dedicados a personagens de Final Fantasy. Ela inscreveu-se no Archive of Our Own – AO3 (O Nosso Próprio Arquivo) como utilizadora em 2011 para participar numa troca de presentes da fandom Final Fantasy. Ela lê uma variedade ampla e eclética de fandoms e tem carinho por ships canónicas, relações raras e femslash. As suas fandoms atuais são Dragon Age, Veep e Stardew Valley.

Programa Eleitoral

1. Porque é que decidiu concorrer às eleições para a Direção?

Este ano, decidi concorrer às eleições da Direção porque acredito na importância de haver pessoas candidatas suficientes para que se realizem eleições. Acredito fortemente no trabalho, na missão, nos valores e nos objetivos da OTW (Organização para Obras Transformativas) e gostaria muito de continuar a apoiar a organização como puder, seja através do meu trabalho como voluntária no comité de Políticas e Abuso ou de qualquer forma como potencial membro da Direção. Tenho a sorte de estar numa situação na minha vida profissional em que adquiri as competências, os conhecimentos e a perspetiva externa que poderão ser úteis no contexto da Direção e gostaria de contribuir com os mesmos.

2. Que capacidades e/ou experiência irá trazer para a Direção?

Trabalho como contabilista e administradora sénior para uma pequena empresa localizada nos EUA. Ainda não tenho quaisquer certificações de contabilidade ou de oficial de contas, mas espero alterar esta situação em breve. O que isto significa é que se me derem um orçamento ou uma demonstração financeira, posso ler e dizer “Ah, isso faz sentido.” Como trabalho para uma empresa muito pequena, acabo por assumir muitos papéis, quer queira quer não: tenho quase dois anos de experiência administrativa e de gerência, trabalhando de perto com fornecedores, contratantes, e assegurando o funcionamento pleno das nossas operações.

No caso da OTW, juntei-me ao comité de Políticas e Abuso em 2015, quando ainda era chamado comité de Abuso, e estou à vontade quando necessito de mediar disputas e de colaborar num ambiente remoto online.

Não tenho medo de meter as mãos na massa e de aprender como se fazem as coisas para saber como posso dar mais apoio de um ponto de vista administrativo. Isto aplica-se tanto à minha vida online como à offline. Se houver falhas no meu conhecimento, e haverá sempre, vou procurar sempre corrigi-las, seja ao fazer perguntas ou de uma forma mais prática. A capacidade de fazer perguntas é bastante importante quando se colabora e comunica com outras pessoas!

3. Escolha um ou dois objetivos para a OTW que são importantes para si e nos quais teria interesse em trabalhar durante o seu mandato. Porque é que valoriza estes objetivos? Como é que trabalharia com outras pessoas para os concretizar?

A contabilidade é uma das responsabilidades do meu emprego, pelo que tenho interesse no comité de Finanças e no seu trabalho. Acho fantástico como, desde que o comité foi restabelecido, a informação do nosso orçamento tem sido disponibilizada de forma acessível ao público, bem como as auditorias das nossas demonstrações financeiras mais recentes e os documentos de relatórios. Como organização sem fins lucrativos, é crítico mantermos esta dedicação à transparência, especialmente em termos das nossas atividades financeiras: não seríamos capazes de operar como organização sem os donativos generosos dos nosso membros.

Somos uma pequena organização sem fins lucrativos que funciona com um orçamento apertado e alguma cola; os nossos membros, pessoas voluntárias e comités precisam de saber que estão em boas mãos, que haverá recursos suficientes disponíveis e que as necessidades do seu projeto serão apoiadas para que possamos continuar a missão da OTW.

Ainda assim, haverá sempre capacidade de melhoria! Gostaria de nos ver a continuar a fazer esta informação o mais acessível e digerível possível para quem possa ver a palavra “orçamento” e fugir a sete pés.

4. Qual é a sua experiência com os projetos da OTW e como irá colaborar com os comités relevantes para os apoiar e reforçar? Tente incluir uma variedade de projetos, contudo sinta-se à vontade para enfatizar alguns em particular.

Estou bastante familiarizada com o AO3 através do meu trabalho com o comité de Políticas e Abuso. Apenas tenho um conhecimento básico acerca dos restantes projetos da OTW, no entanto tenho um interesse pessoal, de amadora, pela Transformative Works and Cultures – TWC (Culturas e Obras Transformativas). Gostaria de melhorar o meu conhecimento acerca dos projetos da OTW para saber como melhor os apoiar! Um bom sítio onde começar seria fazer perguntas e ter uma noção acerca de quais são as suas responsabilidades e que problemas estão a enfrentar neste momento.

Quero ser o mais acessível possível e ajudar a facilitar a comunicação entre os comités.

5. Como é que irá equilibrar o seu trabalho na Direção com as suas outras funções na OTW, ou como é que planeia delegar as suas funções atuais para se focar no trabalho na Direção?

De momento, o meu único papel na OTW é como membro da equipa de Políticas e Abuso. Recentemente, recebemos um novo grupo de recrutas que nos estão a ajudar com entusiasmo a aniquilar os nossos pedidos em atraso. Tenho andado a diminuir o meu volume de trabalho de forma a aceitar um ou outro caso mais complexo e alterei o meu foco de forma a fazer com que a fila de pedidos a rever avance. Não penso que terei problemas em encontrar mais tempo para me dedicar à OTW, mas se tal não for o caso, terei todo o prazer em ajustar as minhas prioridades quando necessário.