Biografia e Programa Eleitoral da Noémie B

Biografia

A Noémie B descobriu a alegria de partilhar obras transformativas através de fanart de My Little Pony durante o ensino básico. Desde então, tem passado uma quantidade absurda de tempo em fandoms de livros, Ficção com Pessoas Reais, anime e é agora uma fã casual de K-pop. Apesar de não ser uma participante muito ativa na fandom, tinha (e ainda tem) muito interesse nos estudos de fãs e projetos de fãs, pelo que decidiu juntar-se à OTW (Organização para Obras Transformativas) com o intuito de retribuir de alguma forma às comunidades de fãs em geral.

Ela é Organizadora de Tags desde 2015 e supervisora desde 2018, sendo que já trabalhou em colaboração com os comités de Portas Abertas e Suporte. A sua experiência de voluntariado na OTW tem-na ajudado a crescer e permitiu-lhe melhorar o domínio da língua inglesa, bem como a sua capacidade de trabalho em equipa e de mentoria ocasional de outras pessoas.

Fora da fandom, trabalha como terapeuta da fala (e de forma não oficial como a sua própria secretária e contabilista). Ela adora palavras e línguas e pretende ajudar as outras pessoas a experienciar a beleza de criar, ler e partilhar histórias. Ela acredita firmemente nas missões e valores da OTW.

Programa Eleitoral

1. Porque é que decidiu concorrer às eleições para a Direção?

A ideia de concorrer às eleições para a Direção passou-me pela cabeça várias vezes ao longo dos últimos anos. Os projetos da OTW têm sido uma incrível fonte de conforto e estabilidade na minha vida desde o momento em que os descobri (especialmente o Archive of Our Own – AO3 (O Nosso Próprio Arquivo), que me oferece histórias para adormecer diárias) e aprecio o tempo que passo como voluntária. O desejo de retribuir a todas as pessoas fãs que criam e partilham conteúdo foi o que me encorajou a começar voluntariado e é o que me mantém interessada em aprender mais.

Ao participar nestas eleições, queria garantir que as eleições eram disputadas e que as pessoas candidatas de recurso não precisavam de participar. Acredito que as pessoas candidatas devem estar dispostas e ser capazes de se tornar parte da direção se forem eleitas e que devem encontrar satisfação na sua participação nas eleições.

Estou muito interessada nos diferentes projetos da OTW, como a Fanlore e a Transformative Works and Cultures – TWC (Culturas e Obras Transformativas), e nos diversos comités da OTW. O meu papel enquanto Organizadora de Tags permitiu-me aprender mais acerca de alguns comités (como os de Suporte ou Tradução). No entanto, quero compreender melhor a estrutura e objetivos da OTW. Participar nestas eleições é uma oportunidade para descobrir um outro lado da OTW. Do mesmo modo, tornar-me num membro da Direção permitir-me-ia aprender mais acerca dos projetos da OTW a partir de dentro da organização e ajudar a desenvolver projetos com os quais não estou tão familiarizada.

Abstive-me de participar em eleições de anos anteriores porque sabia que não dispunha do tempo e recursos suficientes para integrar a Direção. Agora, estou confiante de que estaria à altura das expectativas da Direção.

2. Que capacidades e/ou experiência irá trazer para a Direção?

Como terapeuta da fala, tenho a oportunidade de trabalhar com pessoas de origens diferentes e com perfis muito distintos. Ser capaz de aceitar cada doente tal como é é fundamental, por isso tento sempre ser empática, paciente e honesta. O mesmo se aplica a colegas. Trabalhar com mais profissionais de saúde é frequentemente um desafio, mas também uma excelente maneira de aprender sobre os limites e vantagens de tomar em consideração múltiplos pontos de vista quando se tomam decisões.

O meu tempo de voluntariado enquanto Organizadora de Tags e supervisora também tem sido gratificante em termos de desenvolvimento pessoal. Desde que comecei o meu voluntariado têm havido várias alterações aos fluxos de trabalho, ferramentas e processos de formação. Portanto, compreendo a necessidade, enquanto indivíduo e enquanto equipa, de me manter atualizada. Trabalhar em colaboração com outros comités também me fez aperceber da importância de melhorar as relações entre comités e aprender acerca das limitações de outras pessoas para as compreender melhor.

Experienciei diferentes tipos de modelos de gestão fora da OTW e estou ciente da importância de um bom ambiente de trabalho. A amabilidade e o respeito são muito valorizados dentro da organização e acredito que esta é uma das nossas maiores forças. Terei sensibilidade para assuntos relacionados com comunicação e linguagem, de forma a preservar este ambiente.

Relativamente às funções da Direção, estou habituada a realizar planos de longo prazo para alcançar objetivos e trabalho bem com prazos rígidos. Não me sinto intimidada por tarefas administrativas e pelas funções legislativas da Direção (tenho o prazer de lidar com o sistema administrativo francês todas as semanas). Finalmente, encontro-me aberta a críticas, particularmente porque estou em constante processo de aprendizagem e só consigo tornar-me numa pessoa melhor aceitando os meus erros.

3. Escolha um ou dois objetivos para a OTW que são importantes para si e nos quais teria interesse em trabalhar durante o seu mandato. Porque é que valoriza estes objetivos? Como é que trabalharia com outras pessoas para os concretizar?

O meu objetivo principal – como o de muitas outras pessoas candidatas anteriormente – é continuar a tornar a OTW o mais inclusiva e acessível possível. Apesar de ainda não ser exequível, disponibilizar a interface do AO3 em várias línguas seria um passo gigantesco para tornar o AO3 mais acessível a pessoas que não falam inglês no mundo inteiro. Nos últimos anos, temos observado um fluxo crescente de novas pessoas utilizadoras no AO3. Muitas destas novas pessoas utilizadoras não falam inglês ou não o fazem de forma nativa. Na qualidade de falante de inglês não nativa, sei quão importante é o trabalho dos comités de Acessibilidade, Design e Tecnologia e de Tradução. Quero garantir que continuamos com os nossos esforços e encontramos soluções que permitam que pessoas de diferentes origens culturais, diferentes níveis de familiaridade com os nossos projetos e diferentes deficiências utilizem e interajam com os nossos projetos da forma mais confortável possível.

A nível interno, o nosso principal objetivo seria melhorar a colaboração entre comités. É frequente os comités terem de colaborar e estou convencida de que poderíamos levar a cabo projetos maiores se combinássemos as nossas competências e partilhássemos limitações e objetivos. A colaboração é essencial para resolver questões complexas e iria prevenir preconceitos e mal-entendidos. Felizmente, temos ferramentas partilhadas como a wiki interna e a plataforma de chat, que são ótimos recursos para aprender acerca dos outros comités e promover a comunicação entre pessoas voluntárias. No entanto, acredito que ainda há espaço para melhorar a coesão global da OTW. Para além da nossa atual newsletter interna, podíamos atualizar os documentos de formação para encorajar uma maior compreensão mais ampla da OTW ou organizar eventos internos com regularidade.

Finalmente, face aos eventos recentes, penso que devíamos enfatizar a importância de impor políticas rigorosas para proteger as nossas pessoas voluntárias e dados pessoais.

4.Qual é a sua experiência com os projetos da OTW e como irá colaborar com os comités relevantes para os apoiar e reforçar? Tente incluir uma variedade de projetos, contudo sinta-se à vontade para enfatizar alguns em particular.

O nosso maior projeto e aquele com que a maioria dos membros da OTW está mais familiarizada é o AO3. É o projeto com o qual tenho mais experiência, como utilizadora e como voluntária. Tenho-o visto evoluir e tornar-se mais complexo ao longo do tempo. Sei quanto tempo e energia são necessários para o site funcionar tão bem quanto funciona atualmente. Como previamente referido, espero que promovendo a colaboração entre comités sejamos capazes de continuar a melhorar a interface do site sem negligenciar os recursos atualmente necessários.

Devido ao meu percurso académico, sei que a investigação e a publicação são essenciais para explorar áreas de interesse e vê-las reconhecidas. Sendo uma revista académica, a TWC é um projeto importante e deveria ser apoiado e fortalecido para ajudar ao reconhecimento dos estudos de fãs.

Enquanto utilizadora e ocasionalmente como voluntária, também me familiarizei com a Fanlore e com o Open Doors (Portas Abertas) (pesquisa de obras, mapeamento de tags). Estes projetos também são essenciais para preservar a história da fandom.

Noutra nota, os nossos direitos e liberdades são algo pelo qual vale a pena lutar e estou eternamente grata às pessoas dispostas a defendê-los e à equipa de Legal Advocacy (Assistência Legal) pelo seu trabalho.

Penso que cada projeto da OTW e os respetivos comités deveriam ter acesso às ferramentas e recursos adequados. É função da Direção garantir que as pessoas voluntárias se sentem confortáveis para mencionar as suas necessidades e assegurar que essas necessidades são respondidas, de forma a que as pessoas voluntárias possam continuar envolvidas enquanto trabalham com as melhores condições possíveis.

5. Como é que irá equilibrar o seu trabalho na Direção com as suas outras funções na OTW, ou como é que planeia delegar as suas funções atuais para se focar no trabalho na Direção?

Não planeio transferir nenhuma das minhas funções atuais na OTW, mas irei sempre garantir que qualquer tarefa relacionada com a Direção é priorizada.

Continuar como Organizadora de Tags ativa não deverá ser um problema, uma vez que posso sempre reavaliar o tempo que gasto com as tarefas de organização de tags e ajustar em conformidade o número de fandoms sob a minha responsabilidade.

Se surgir a necessidade, não irei hesitar em dirigir-me a alguém e pedir conselhos. Felizmente, estou certa de que não haverá impacto negativo para a equipa de Supervisão da Organização de Tags se algum dia decidir pedir um hiato. No entanto, espero conseguir encontrar um ponto de equilíbrio e gerir ambos os papéis.