Biografia e Programa Eleitoral da E. Anna Szegedi

Biografia

A E. Anna Szegedi descobriu a fandom anos antes de saber sequer o que a palavra significava. Ela escreveu a sua primeira fanfic (para Heroes of Might and Magic III) a lápis em papel de impressão aos oito anos. A sua primeira aventura na fandom online foi através de um pequeno fórum dedicado à trilogia Bartimaeus, de Jonathan Stroud, e foi também aí que publicou a sua primeira fanfic com vários capítulos. A descoberta de fóruns e sites de fãs em inglês motivou-a a aprender a língua e ler (e escrever) fanfics em inglês alimentou o seu amor por línguas.

Ela juntou-se à OTW (Organização para Obras Transformativas) como membro do comité de Tradução em 2017. Enquanto utilizadora ávida do Archive Of Our Own – AO3 (O Nosso Próprio Arquivo), a Anna estava entusiasmada com a possibilidade de ajudar a tornar os projetos da OTW mais acessíveis a pessoas que não falam inglês. Mais tarde, assumiu a responsabilidade de ajudar a gerir as pessoas voluntárias do comité de Tradução e a treinar e apoiá-las nas suas tarefas.

A Anna é licenciada em Inglês e Filologia Americana e tem um Mestrado em Tradução e Interpretação. Ela trabalha no departamento administrativo de uma universidade e é responsável pelas admissões e pelo apoio diário a estudantes internacionais.

Programa Eleitoral

1. Porque é que decidiu concorrer às eleições para a Direção?

A fandom tem tido um papel importante na minha vida desde o dia em que aprendi a ler bem o suficiente para ler livros sozinha. Tal como para várias outras pessoas, tem sido uma fonte de apoio e de escapismo quando preciso de me afastar da realidade por um bocado.
Acredito que o trabalho feito pela OTW é de extrema importância para a comunidade de fãs e, ainda que o meu tempo com o comité de Tradução esteja a ser profundamente recompensador, estou neste momento numa posição em que sou capaz de fazer mais para contribuir para a comunidade. Quero retribuir a todas as incríveis pessoas criadoras que me ajudaram a ultrapassar tempos difíceis e acredito que trabalhar com a Direção da OTW é a melhor forma de o fazer.

2. Que capacidades e/ou experiência irá trazer para a Direção?

Através do meu emprego na administração de uma universidade, onde metade do corpo estudantil é internacional, tenho tido a oportunidade de trabalhar diariamente com adolescentes e pessoas jovens adultas provenientes de um vasto leque de ambientes sociais e culturais diferentes. Sou responsável por ajudar estas pessoas a tratar de vários assuntos diferentes – desde o processo de imigração e procura de alojamento a coisas mais do dia-a-dia, como comprar bilhetes para um espetáculo ou traduzir cartas oficiais. O meu trabalho requer empatia e compreensão de forma a navegar um ambiente fortemente multicultural, o que será útil na Direção de uma organização internacional.

Sinto que o meu tempo na OTW, tanto como tradutora voluntária e, mais tarde, a gerir pessoas voluntárias, me ajudou a desenvolver capacidades de comunicação e gestão importantes. Sou atenta aos detalhes, e essa é uma habilidade que me tem ajudado nas minhas tarefas tanto aqui na OTW como na vida real.

3. Escolha um ou dois objetivos para a OTW que são importantes para si e nos quais teria interesse em trabalhar durante o seu mandato. Porque é que valoriza estes objetivos? Como é que trabalharia com outras pessoas para os concretizar?

Disponibilizar os projetos da OTW no maior número de línguas possível é o objetivo com que me sinto mais conectada. Lembro-me de traduzir meticulosamente páginas da wiki de Sailor Moon para uso próprio na minha adolescência, porque existia muito pouco conteúdo na minha língua. Espero ser capaz de ajudar pessoas que não são fluentes em inglês a utilizar e a interagir mais facilmente com projetos da OTW. É também importante que os nossos projetos sejam acessíveis a pessoas com dificuldades visuais ou qualquer outra incapacidade que possa afetar a sua experiência online. Por exemplo, adicionar legendas a imagens ajuda quem utiliza leitores de ecrã; é um detalhe pequeno, mas de extrema importância.

A preservação de obras de fãs é outro aspecto importante do trabalho da OTW. O fórum da trilogia de Bartimaeus onde publiquei a minha primeira fanfic já não se encontra online, o que quer dizer que as obras lá alojadas estão provavelmente perdidas para sempre. Disponibilizar uma forma de importar este tipo de fóruns para o AO3 quer dizer que um pedaço da fandom continua vivo, mesmo que as pessoas que criaram a plataforma original tenham seguido para outros projetos.

4. Qual é a sua experiência com os projetos da OTW e como irá colaborar com os comités relevantes para os apoiar e reforçar? Tente incluir uma variedade de projetos, contudo sinta-se à vontade para enfatizar alguns em particular.

Através do comité de Tradução, tive a oportunidade de colaborar com outros projetos de várias formas. Traduzi tags do AO3 para o comité de Organização de Tags e ajudei as equipas de Políticas e Abuso e de Suporte a interagir com pessoas utilizadoras do AO3 que não são fluentes em inglês. Sei que disponibilizar a interface do AO3 noutras línguas que não o inglês é um passo que ainda não conseguimos dar mas, até lá, podemos trabalhar para facilitar a vida das pessoas utilizadoras que não falam inglês.

Como membro da Direção, esforçar-me-ia para me familiarizar com as necessidades de todos os comités de modo a poder ajudá-los da melhor maneira que consigo. Acredito que nunca paramos verdadeiramente de aprender e gostaria de aproveitar esta oportunidade para expandir o âmbito das minhas habilidades e para utilizar os meus novos conhecimentos em prol de outras pessoas.

5. Como é que irá equilibrar o seu trabalho na Direção com as suas outras funções na OTW, ou como é que planeia delegar as suas funções atuais para se focar no trabalho na Direção?

Atualmente, o meu único papel na OTW é na gestão de pessoas voluntárias do comité de Tradução e acredito ter tempo livre suficiente para assumir outro papel. Felizmente, o meu emprego é flexível o suficiente para permitir que tenha tempo para os meus deveres para com a OTW. Também sou bastante noturna e não tenho problemas em trabalhar até tarde, se for em algo que me apaixone. E a OTW é exatamente isso – algo que me apaixona profundamente, algo que acho valer cada minuto de trabalho.