Biografia e plataforma de Emyn a.

Segundo anunciado em 26 de junho, Emyn a. retirou sua candidatura.

Biografia

Emyn a. é podficcer, entusiasta de ships raros, viciade em construções The Sims e fã de Six Nations. No seu trabalho do dia a dia, elu é agente de atendimento a clientes, com foco na acomodação para exames e testes de planejamento de eventos. Sua compreensão profunda de clientes e seus processos lhe deu a oportunidade de desenvolver habilidades de comunicação, além de experiência na introdução e treinamento de novos membros em uma equipe.

Elu entrou na OTW (Organização para Obras Transformativas) como voluntárie de Tradução em 2016, criando uma nova equipe de língua e a gerenciando por conta própria até a adoção de novos membros para equipe nos últimos anos. Elu também passou um tempo no comitê de Organização de Tags e está sempre pronte para aprender mais sobre o funcionamento da organização.

Plataforma

1. Por que você decidiu participar das eleições para o Conselho de Administração?

Há sete anos eu entrei para OTW ao perceber que não existia nenhuma equipe de tradução para o galês e percebi que a melhor forma de tornar os projetos da OTW acessíveis a falantes de galês seria me voluntariar e criar uma equipe. Esse mesmo impulso é o que me motiva a me candidatar ao Conselho de Administração — eu tenho um grande amor pela e acredito na missão da OTW, entretanto consigo ver lugares onde ela tem dificuldades e onde ela é forte, além de áreas que responderam ou não às mudanças no ambiente de fandom nos anos desde sua fundação.

A comunidade de fãs a qual servimos mudou desde a fundação da organização depois dos eventos do Strikethrough e Fanlib. As questões que enfrentamos hoje são diferentes e estão evoluindo, estou me candidatando ao Conselho porque eu quero trabalhar na modernização da OTW, para que ela esteja melhor preparada para lidar com esses desafios. Eu sinto que a melhor forma para eu ajudar e apoiar a OTW a se fortalecer e melhorar é assumindo um dos assentos de motorista ao lado de outros membros do Conselho.

2. Que aptidões e/ou experiência você traria para o Conselho?

Meu emprego na vida real envolve providenciar exames, testar eventos e acomodações para candidatos e responder a perguntas e reclamações, então eu tenho bastante experiência com organização e comunicação com pessoas do mundo inteiro. Também aprendi a ter paciência e como lidar com situações difíceis, o que espero usar no meu tempo servindo no Conselho para garantir que nos comunicamos e paramos de forma mais transparente e que quaisquer problemas com nossos projetos sejam comunicados de forma sensível.

Meu trabalho com tradução também me ensinou habilidades de comunicação e colaboração. Criar a equipe de tradução de galês sete anos atrás também me ensinou diversas habilidades, desde documentação até auto-organização e auto motivação, o que pretendo usar para garantir que novos planos e projetos andem para frente e o façam bem.

3. Escolha uma ou duas metas para a OTW que são importantes para você e nas quais você teria interesse em trabalhar durante seu mandato. Por que você valoriza esses objetivos? Como você trabalharia com outras pessoas para alcançá-los?

Em uma perspectiva da OTW de forma mais ampla, desejo trabalhar com nossos comitês para garantir que todos tenham o que é necessário para cumprir suas funções. O isolamento é um grande problema entre equipes da OTW, então eu realmente gostaria de trabalhar para quebrar esse isolamento e melhorar a comunicação e o relacionamento entre equipes. Também quero concentrar-me em encontrar meios de evitar o burnout na base voluntária e garantir que o volume de trabalho das equipes seja sustentável. Eu apoio os planos atuais de contratar algumas pessoas para cargos de apoio em certas áreas de infraestrutura, além de propor novamente uma ideia anterior de incorporar uma pessoa para consultoria de diversidade o mais rápido possível.

Pensando mais especificamente em um projeto, eu tenho um carinho muito grande pelo Archive of Our Own – AO3 (Nosso Próprio Arquivo) e sei que existem discussões e preocupações mais amplas a respeito do uso do AO3 como uma ferramenta de assédio e as dificuldades para evitar conteúdos indesejáveis no AO3. Com esse fim, quero trabalhar com as equipes de Suporte e Diretrizes e Abuso para assegurar que tenham as ferramentas necessárias para dar mais apoio a usuáries e o que pode ser feito para reduzir a carga de trabalho. Eu também quero explorar outras ferramentas para melhorar a curadoria pessoal de conteúdo, tais como a criação de mais tags de advertência, especialmente para intolerância e conteúdo gerado por IA, bloqueio permanente de tags para contas e outras ações semelhantes.

4. Que experiência você tem com os projetos da OTW e como você colaboraria com os comitês em questão para os apoiar e fortalecer? Tente incluir diversos projetos, mas fique à vontade para enfatizar particularmente aqueles com que você tem experiência.

Minha impressão é que os comitês envolvidos com nossos projetos sabem o que eles precisam e o que precisa ser melhorado, então a forma que eu vejo para fortalecer nossos comitês e projetos é sentar com os comitês envolvidos e garantir que recebam apoio da forma que desejam e que será útil.

O projeto com o qual tenho mais familiaridade é o AO3, sendo também com o qual me envolvo com mais frequência. Eu mencionei antes que desejo oferecer mais ferramentas de curadoria pessoal no AO3, mas eu também quero garantir que o que temos hoje tenha total suporte. Se nós criarmos novas ferramentas, eu quero garantir que todas as pessoas envolvidas estejam de acordo e tenham o apoio necessário para garantir uma boa implementação.

No meu tempo livre, eu também escrevo e edito artigos na Fanlore! A preservação de tradições e conhecimentos de fãs, não apenas de obras de fãs, é pessoalmente importante para mim e quero garantir que todos os comitês envolvidos com a Fanlore e o Open Doors (Portas Abertas) tenham todos os recursos necessários para continuar esse trabalho essencial.

Eu também fico impressionado com a infraestrutura que dá suporte a todos os nossos projetos e o trabalho feito pela nossa equipe voluntária para manter o sonho da OTW vivo, desde o trabalho do Ativismo Jurídico até o feito pelas equipes de Webs e Acessibilidade, Design e Tecnologia, e seria importante para mim dar apoio aos seus esforços para garantir a longevidade da OTW como um todo.

5. Como você pretende equilibrar seu trabalho no Conselho com seus outros cargos na OTW ou, se for o caso, como planeja se afastar de suas responsabilidades atuais para se focar no seu trabalho no Conselho?

A equipe de língua galesa na qual eu sou voluntário cresceu desde que eu a criei em 2016 e temos mais membros, além de mim mesmo como era há sete anos atrás! Nós avançamos bem na tradução de boa parte do conteúdo da OTW, então fico confortável me afastando um pouco das atividades para dar atenção à equipe e ao Conselho. No momento, eu planejo continuar traduzindo notícias e conteúdos curtos, o que me daria o tempo e espaço para trabalhar com o Conselho.